sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A Doulgas futurista


O artigo de capa da próxima SóClássicas - que modéstia à parte está do carimbó - é dedicado às gloriosas motos inglesas dos anos 20. Tudo começou quando aqui há uns meses atrás nos encantámos com a AJS da capa, quando a vimos no Algarve. A partir daí começámos a pesquisar o tema mas depois percebemos que por trás da AJS estava um fenómeno não menos interessante e que era o mercado de máquinas de duas rodas que se desenvolveu enormemente a partir do fim da primeira guerra mundial. O tema daria para se escrever um livro mas à falta de oportunidade, e espaço na revista, para isso, temos um texto bué de interessante sobre estas máquinas em geral e sobre como tudo começou, com a malfadada guerra. E isto, sobretudo, porque o exército inglês decidiu que as motos eram um excelente e revolucionário meio de apoio ás tropas no terreno. Graças a isso, entre 1914 e 18, os fabricantes ingleses receberam encomendas para o fabrico de 400.000 motos, uma enormidade ainda aos dias de hoje, passados quase 100 anos. E se a maior parte delas eram motos convencionais de duas rodas, houve muita coisa de três rodas também. Triciclos-ambulância, triciclos blindados com metralhadoras montadas, triciclos para o transporte de cavalos, etc. Este Doulgas da foto, porém, merece destaque. E isto porque terá sido dos triciclos mais "high tech" desse tempo da guerra. É que para além do triciclos, e das motos em geral, já serem uma novidade para a época, os rádios de transmissões também o eram. Felizmente que o mundo das transmissões evoluíu e as centais telefónicas móveis foram-se tornando mais pequenas. Ja´se imaginou o que seria ir para o campo de batalha com uma coisa destas para fazer rádio-transmissões?

Sem comentários:

Publicar um comentário