quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

E também corriam, sim.

A nova SóClássicas é dedicada às Motoms. E tenho que confessar que ao longo de quatro anos de andanças nisto de jornalismo sobre motos clássicas poucas vezes me deparei com um tema que à partida até nem parecia ser muito complicado mas que nos finalmentes foi um verdadeiro quebra-cabeças. É que ao longo dos 20 anos da marca, a dita teve nada mais nada menos que 48 modelos, o que dá quase três por ano. Alguns, como a Motomic, a 48, ou a 98, completamente revolucionários mas outros com pequeníssimas mudanças que mesmo para quem percebe muito do assunto nem sempre é fácil reconhecer. A maior surpresa de todas nesta investigação que durou quase dois meses, porém, foi descobrir as proezas desportivas da marca. Quem olha para uma Motom, nomeadamente para a 48, o modelo mais popular da marca, tem a ideia de um ciclomotor "pachorrento" mas ao que parece os "artistas" dos anos 50 conseguiram pôr algumas delas a andar a 110, 120 e 130kms/hora, obtendo mesmo alguns recordes do mundo para a marca. E para além dos esforços oficiais da Motom nesse sentido, consta também que haveria um "batalhão" de mecânicos e pilotos privados que faziam mil e uma alterações nos Motom 48 para depois participarem, às dezenas, em provas monomarca para se baterem uns contra os outros. Eu bem que digo que a única coisa que faltava aos anos 50 serem perfeitos era a internet!

Sem comentários:

Publicar um comentário